Casa da Cacau
  Belas Coisas da Vida
  Arione Torres
  Nilson Barcelli
  Ilha da Lindalva
  Tantas Palavras
  Rubia Artes
  Eliane Lacerda
  Juliana Rosa
  Mary Help
  Ale-bordados e croche
  Suavidad
  Célia Lima.
  Márcia
  Moon Girl
   Gracita
  Nuestra Amizade
  Blue Sapphire
  Lucia Haddad
  Pérola
  Meus rabiscos- Célia(2ºblog)
  BOL - E-mail
  Blogosfera
  Lemon guest book
  123 Livro de visitas
  Magia Gifs
  cursores 4u


 

 
 

  Todas as mensagens
  Citação
  Poesias
  Frases e pensamentos
  Tutorias
  Fotos


 

   

   


 
 
Cláudia Forte





Escrito por Cláudia Forte às 19h14
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




                                                     UOL Busca Neruda(YouTube)Legendado

                                                                             Poema XX 


Posso escrever os versos mais tristes esta noite. 
Escrever, por exemplo: "A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros lá ao longe". 
O vento da noite gira no céu e canta. 

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu amei-a e por vezes ela também me amou. 
Em noites como esta tive-a em meus braços.
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito. 

Ela amou-me, por vezes eu também a amava.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos. 
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que já a perdi. 

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho. 
Importa lá que o meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo. 

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
A minha alma não se contenta com havê-la perdido. 
Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a.
O meu coração procura-a, ela não está comigo. 

A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores.
Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. 
Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei.
Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. 

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. 
Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda.
É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. 

Porque em noites como esta tive-a em meus braços,
a minha alma não se contenta por havê-la perdido. 
Embora seja a última dor que ela me causa,
e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo.

Pablo Neruda



Escrito por Cláudia Forte às 14h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]